Literatura para hoje

Padrão

10 ENSINAMENTOS DE SHAKESPEARE PARA VIVER O AMOR TODOS OS DIAS

Intemporal e assertivo, o poeta e dramaturgo britânico imortalizou máximas que são verdadeiras lições de vida para os relacionamentos contemporâneos
É o sentimento que mais emoções desperta. «De todas as questões que preocupam o ser humano, nenhuma tem tanta importância como o amor», considera mesmo Allan Percy, coaching e autor de livros de desenvolvimento pessoal. Em «Como sabes que é amor?», publicado em Portugal pela Marcador Editora, apresenta 72 ensinamentos de Shakespeare que ensinam a viver o amor todos os dias. Estes são 10 dos que deve ter em conta no seu quotidiano a dois:

1. «Se não se lembra da mais pequena loucura que cometeu por amor, não amou»

A paixão, pelos benefícios que nos traz, «é um bálsamo», assegura Allan Percy. Estar apaixonado gera um reforço da autoestima «pelo simples facto de nos sentirmos amados, admirados e valorizados», refere. Esse estado de graça potencia ainda um aumento da criatividade. «Porque não queremos deixar de surpreender o outro», garante o coach.

2. «Na amizade e no amor é-se mais feliz com a ignorância do que com o saber»

O que não sabemos não nos pode magoar e, por vezes, o excesso de informação e a vontade de querer saber tudo acaba por ter um efeito prejudicial. «O sentimento romântico é um ser delicado que pode morrer se for dissecado», considera mesmo o especialista.

3. «Para celebrar os rituais amorosos, os amantes só precisam da luz da própria beleza e, como o amor é cego, a noite é o melhor para eles»

Estas palavas de Julieta no terceiro ato do grande drama romântico de Shakespeare «Romeu e Julieta» devem ser levadas muito a peito. Para estimular a libido do casal, Allan Percy sugere a relação ocasional de um jantar afrodisíaco que deverá incluir ostras, vinho, champanhe, chocolate, mel e cravo-da-índia, alimentos e ingredientes com reconhecidos poderes afrodisíacos.

4. «O curso do amor verdadeiro nunca decorreu sem percalços»

As histórias de amor felizes só existem nos livros e no cinema. Nas relações do quotidiano, há todo um processo de concessões e de adaptações a fazer diariamente. «A paixão é, com frequência, uma miragem que fabricamos, pois alguém que passa despercebido a qualquer outra pessoa converte-se aos nossos olhos num modelo de virtudes e encantos», sugere Allan Percy.

Na reta final de «Como sabes que é amor?», o especialista cita M. Scott Peck, autor do livro «O caminho menos percorrido. «Para Peck, o amor verdadeiro, o que ultrapassa o desejo sexual e o medo da solidão, é aquele que nos leva a comprometermo-nos a longo prazo (…) Esse é o AMOR em maiúsculas», assegura.

5. «As nossas dúvidas são traidoras que muitas vezes nos fazem perder o bem que podíamos ganhar»

Manter uma relação amorosa nos dias que correm nem sempre é fácil, sobretudo para os mais ciumentos e para os mais inseguros. «No terreno do amor a dois, as dúvidas são minas explosivas que, mais cedo ou mais tarde, corremos o risco de pisar», escreve o autor. Uma situação que gera «um claro desequilíbrio no casal», adverte.

Veja na página seguinte: Por que é que nos devemos alimentar dos nossos sonhos

6. «É mais fácil obter o que se deseja com um sorriso do que com a ponta da espada»

Esta frase do poeta e dramaturgo britânico tem uma versão popular portuguesa, que muitas pessoas hoje ainda utilizam e que diz que «não é com vinagre que se apanham moscas». «Na arte da sedução, não contam apenas as palavras (…) O sorriso é a cola natural de qualquer relação humana e, sobretudo, das relações amorosas», afiança Allan Percy.

7. «Não suje a fonte onde afogou a sua sede»

É uma verdade inquestionável. «Todas as relações começam bem, mas algumas acabam mal. A vida em casal pode ser um paraíso, mas também se pode converter num campo de batalha, onde os adversários tentam tornar a vida do outro impossível», escreve o coach de desenvolvimento pessoal.

Para contrariar esta tendência, o especialista sugere que se recupere «de forma periódica hábitos e rituais da etapa inicial do casal», incluindo «sessões de cinema, jantares em restaurantes românticos, sair para dançar…» e uma (re)aproximação através do diálogo. «Partilhar com o companheiro problemas e desejos individuais, mesmo que não sejam fáceis de resolver», sugere Allan Percy.

8. «Se dois cavalgam um cavalo, um deve ir atrás»

Numa relação a dois, há papéis a desempenhar que não podem (nem devem) ser confundidos, mas também há contas que não podem ser feitas. «Pode acontecer que no início do romance um dos membros do casal esteja mais apaixonado do que o outro e, um ano depois suceda o contrário (…) Em todo o caso, não é importante quem dá mais à relação, sempre que a assimetria não seja demasiado grande», refere o autor.

9. «O nosso destino não está nas estrelas mas em nós próprios»

Nos dias de hoje, estar sozinho e abatido em frente ao computador ou com o telemóvel nas mãos é uma realidade para muita gente. «As redes sociais converteram-se no grande ponto de encontro dos corações que desejam amar», sublinha o escritor, que considera que essa pode, contudo, ser a solução para muitos solitários. «Pensar que este tipo de relações não pode ser intensa e duradoura é um preconceito», diz.

10. «Um homem que não se alimenta dos seus sonhos envelhece rapidamente»

O sonho comanda a vida e William Shakespeare sabia-o. «O amor move montanhas e os nossos maiores êxitos, tanto os individuais como os coletivos, são impulsionados pelo amor por um sonho», considera também Allan Percy.

Texto: Luis Batista Gonçalves

Os dramas!

Padrão

18-19-m20607-1

Drama 1

Comprei umas Adidas Stan Smith para o Tomaz!

Acho-as super giras e também bastante confortáveis.

O rapaz recusa-se a calçar as ditas, porque se recusa igualmente a deixar de usar as do momento, umas Skechers Go Run que estão a deixar de lhe servir….

 

Drama 2

Pensei em comprar também para mim umas adidas iguais, para fazermos um pandã mãe e filho!

Mas como calço um misero 34 são consideradas júnior, por isso não têm atacadores. Têm velcro.

Três tiras de velcro…. Ora não me parece muito bem. Mas será que não existe uma versão adulta tamanho 34?!?

Estou farta de me calçar na secção de criança…!!!

 

Tudo bem dobradinho!

Padrão

As capas de colchão e  os lençóis ajustáveis são ótimos!

Especialmente para mim que gosto de uma cama bem esticadinha, os lençóis ajustáveis, podem ser uma boa solução!

O pior mesmo é dobrar os ditos. Estica daqui, dobra dali e quando vamos a ver temos um rodilho sem nexo nenhum, que nem sequer cabe no armário do lençóis!

Para que nunca vos aconteça este drama doméstico guardem esta imagem!!

enhanced-19894-1419960349-11

A compota da menina abóbora!

Padrão

Felizmente cá por casa aparecem muitas coisas!

Desta vez foi uma abóbora. Uma abóbora menina.

Olhei para ela e pensei logo em doce!

Ontem pus mãos à obra. A casa foi invadida por um cheirinho tão bom, tão acolhedor, tão inspirador…!

Ingredientes

1 kg de polpa de abóbora cortado em cubos
800g de açúcar, eu usei açucar amarelo
Sumo de 2 laranjas
200g de nozes picadas
1 pau de canela
1 colher de chá de canela em pó

Preparação:

1. Numa panela, levar ao lume a abóbora, o açúcar, a canela em pó, o pau de canela e o sumo de laranja.
Mexa, tape e deixe cozinhar em lume brando durante 1 hora.

2. Passado 1 hora, retire o pau de canela e passe tudo com a varinha mágica.
Junte as nozes.
Mexa e deixe cozinhar em lume moderado durante 15 minutos.
Convém de vez em quando ir mexendo.

fotografia 5 (2)

3. Passado os 15 minutos apague o lume e deixe arrefecer totalmente a compota.
Depois da compota fria, guarde em frascos que vedem bem.

Utilizei uns frascos de vidro, normalíssimos, que esterilizei, fervendo-os com as tampas por 10 minutos.

Não deixei os frascos arrefecer de imediato e enchi-os com a compota, fechei-os e virei-os ao contrário e assim permaneceram 24h para criarem vácuo.

Foram as 24 h mais longas a minha vida!!!

Está maravilhoso. E fica bem com tostas, bolachas, queijo, pão, à colherada…. digo eu que já experimentei todas as variantes!

 

Esta receita foi retirada do site Sabor Intenso

DIY com pratos

Padrão

Às vezes acontece-me andar a passear em lojas ou supermercados e ver pratos giríssimos. Se fosse de encontro à minha vontade, teria cerca de 3470 conjuntos de pratos!!!

De volta por blogs e Pinterest encontrei uma forma engraçada de só trazer dois ou três pratos, e de tamanhos diferentes.

Ora vejam!

Há variadíssimas formas de elaborar um trabalho destes.

Usando copos entre os pratos, castiçais, taças de gelado, enfim o que a imaginação deixar.

Podemos usar cores, utilizando spray colorido, ou simplesmente deixando a cor original das bases.

Usando apetrechos qd, podemos criar uma peça super original. Há imensa variedade no mercado.

Eu acho que vou fazer uma….fruteira!

Pompons na cozinha!

Padrão

Até as almofadas das cadeiras da nossa cozinha, podem ter um toque especial!

Podem e devem.

Aqui há dias, olhei para elas ao pequeno almoço e pensei: “Coitadinhas tão insossas!”

Fui à retrosaria e comprei fita com pompons! Como o objetivo era a cor, optei por um rosa e um verde que até são os tons dos tapetes!

Ainda só fiz duas, mas acho que dá para ver como ficou giro!

Eu gosto!

fotografia 2 (2)

 

 

 

Ideias!

Padrão

Olhem só que ideias engraçadas para reaproveitar caixas de vinho ou mesmo caixas de fruta!

Estou a precisar de arranjar um sitio para guardar as minhas revistas de culinária.

Já sei onde e como vai ser!

| Imagens retiradas do Pinterest |

Uma mousse, rápido por favor!

Padrão

Uma mousse rápida e deliciosa para ocasiões em que temos um jantar de última hora em casa, ou simplesmente para levar para um jantar em casa de amigos!

A imagem que se segue não é minha, mas este é o aspeto final da mousse!

© deia sinatora fotografias

© deia sinatora fotografias

Ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado pequena
  • 2 pacotes de natas de 200 ml cada
  • sumo de dois limões
  • raspa de limão

Preparação:

Bata as natas e depois junte o leite condensado.
Seguidamente, junte o sumo dos dois limões e mexa tudo muito bem.
Verta o preparado numa taça, decore com raspa de limão e leve ao frigorífico durante cinco horas.

Dica útil

Padrão

Tenho alguma selo-fica-a-dicadificuldade em ter salsa e coentros frescos! Morrem sempre!!

Assim, e para ter sempre em casa estas duas ervas, compro raminhos frescos, pico e congelo, cada uma na sua caixa!

Vou fazer o mesmo a uma raiz de gengibre que tenho no frigorifico!

 

O Arroz de Marisco

Padrão

arroz de marisco

Fazer um arroz de marisco não tem necessariamente de ser sinónimo de demora e despesa.

Podemos fazer um ótimo arroz em 35-40 minutos e bastante acessível!

Como já havia dito, não uso caldos e neste arroz nem coloco a habitual sopa de marisco, utilizada em tantas receitas. Porque não acho que fique melhor e porque pega facilmente no tacho. 

O tacho! O ideal é usar um tacho de barro, fica bastante melhor. O aroma e o sabor ficam mais intensos!

Então vamos lá!

Para este manjar para 5 pessoas utilizei: 

          • Uma embalagem de 900gr de sortido de marisco congelado. Ter em atenção que há muitas embalagem que trazem uma quantidade absurda de delícias do mar. 

          • 1 embalagem de 400gr camarão congelado

          • 2 tomates. Gosto muito de usar o tomate peito de dama. Se vivessem aqui perto, dir-vos-ia que o encontram facilmente na Carolina! Por acaso desta vez utilizei chucha, estava maduro o suficiente para o efeito

          • 1 cebola

          • 2 alhos

          • 1 ramo (generoso) de coentros, que adoro!

          • salsa qb

          • 1 folha de louro

          • pimentão doce

Colocar a mariscada num passador de rede, passar por água, escorrer e reservar.

Descascar  e lavar a cebola e os dentes de alho e picar finamente
Levar um tacho ao lume com o azeite, deixar aquecer, adicionar a cebola e os alhos e deixar refogar até que a cebola fique transparente.

Na maioria dos meus cozinhados não deixo a cebola refogar muito, faço tudo a frio, é muito mais saudável. Aqui abro uma exceção!

Junto depois o tomate picado e um ramo de coentros, um pouco de salsa, uma folha de louro, uma pitada de pimentão doce, um pimento verde e deixo cozinhar mais 3 minutos, mexendo de vez em quando.
Acrescento 1L de água, tempero com sal e piri piri. Bem, eu não ponho piri piri porque não suporto coisas picantes, mas tenho preparado uma garrafinha de azeite com malaguetas para os aventureiros!

Mexer e deixar levantar fervura. Adiciono então a mariscada e o arroz e deixo cozinhar durante aproximadamente 20 minutos, mexendo de vez em quando. Arroz carolino, neste caso.

Juntar mais água caso achem que precisa e retificar os temperos se necessário. Retirar do lume e servir polvilhado com a salsa picada ou coentros. Este prato deve ser servido de imediato, para que o arroz fique solto.

Estava maravilhoso, sem nada de especial, mas as ervas e mesmo até o alho caseiro, deram-lhe um sabor muito bom.